Na Areia

Tudo sobre as praias de Salvador – Blog do 6º semestre de Jornalismo da Faculdade Social da Bahia para a disciplina Jornalismo Online

Empreendedorismo com camarão

De taxista a vendedor de camarão, João é a melhor definição de empreendedor informal bem-sucedido entre os tantos que usam a areia soteropolitana como local de trabalho.

Por Natália Falcón

João Arnaldo faz os camarões na casa, em Brotas.

“Vamos comer camarão, camarão é do João!”. Qualquer pessoa que já tenha frequentado o Porto da Barra conhece esse bordão. A trilha sonora é do João Arnaldo, mais conhecido como João do Camarão, que, além de vender o fruto do mar, canta composições próprias, heranças do tempo de sambista. A ida para as areias foi motivada pelas dificuldades financeiras.  Desde então o negócio só faz crescer. Hoje João já conta com cerca de dez ajudantes colaborando com as vendas, todos “pessoas de confiança” como ele define.

O negócio começou devagar. Os camarões eram preparados na casa em Brotas e vendidos apenas por ele. A primeira ajuda veio do filho Márcio Bezerra, que conseguiu viajar para a Europa e participar de uma competição de judô com o dinheiro do camarão. Até hoje ele ajuda o pai com as vendas.

João conseguiu a atenção que queria com as músicas. Com o crescimento da demanda transformou a casa ao lado em cozinha para os crustáceos e pessoas da comunidade passaram a ajudar nos negócios. Com a chegada do verão, o número de vendedores ambulantes nas praias cresce exponencialmente, e João sabe bem disso, mas a concorrência não desanima: “a gente vende um produto de qualidade”, orgulha-se.

Engana-se quem pensa que apenas os shoppings e lojas aumentam o número de funcionários na alta temporada, João Arnaldo chega a “contratar” cerca de vinte pessoas, que se dividem entre praias, shows e grandes eventos. Hoje as vendas do camarão também são feitas em shows e eventos, onde as bandejas de alumínio são trocadas por carrinhos. Segundo ele, a marca é conhecida em qualquer lugar.

A escolha deve ser criteriosa: “não pode ser qualquer pessoa, senão passa a perna e vende mais caro para ficar com o dinheiro”, alerta João.

A cantoria criada pelo empreendedor é repetida por todos os vendedores que carregam a marca “João do camarão”, mas os banhistas são unânimes ao afirmar que a simpatia do original é única. “Ele é uma figura, já faz parte disso aqui”, diz Tamires, com um espetinho na mão.

Quando o assunto é a orientação de órgãos como o Sebrae, João é claro: “eu já tomei o curso da vida”. Para ele a formalização ainda é uma possibilidade distante, mas não descartada. A gerente de atendimento ao empreendedor individual do Sebrae-Bahia Mariana Cruz explica que a formalização possibilita uma ampliação das vendas, já que regularizados os empreendedores poderão vender para pessoas jurídicas e emitir nota fiscal.

O processo é simples e sem burocracia: através de uma página na internet, os vendedores informais, com um faturamento de até R$ 5.000 por mês, podem se cadastrar como empreendedores individuais. O interessado deve pagar uma quantia de imposto ao mês, que vai direto para o INSS e contribui para a previdência social.

Mariana conta que os empecilhos para a regularização de quem já possui negócios na informalidade são a vigilância sanitária e a liberação da prefeitura. Regularizados, os empreendedores devem seguir as regras de higiene na produção, armazenamento e venda de alimentos. Em casos de barracas, a prefeitura deve emitir uma licença para a permanência do estabelecimento.

A gerente é incisiva quando se trata das vantagens do processo. Segundo ela, pesquisas do Sebrae já mostraram que a maioria dos empreendedores que se formalizaram aumentaram as vendas. “Eles aprendem como gerenciar melhor seus negócios, além de obter o CNPJ e vender para lanchonetes e estabelecimentos do tipo, o que, sem emitir nota fiscal, não seria possível”, relata a gerente.

Formalizado ou não. Com ou sem barraca. O fato é que o comércio nas praias é uma alternativa para complementar a renda dos muitos empreendedores soteropolitanos. João do Camarão é apenas um personagem dessa realidade que, no verão, se torna ainda mais visível. Se está assim agora, imagina na Copa…

Clique aqui para ver o vídeo da Agência de Comunicação do estado da Bahia sobre a importância do empreendedorismo individual

Deixe uma resposta esperta:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 19 de novembro de 2012 por em Uncategorized.
%d blogueiros gostam disto: